A Sala de Aula Moderna – Parte II

 

CONTINUAÇÃO DO ARTIGO

 

 

 

roberto_pimentel@terra.com.br

 

 

A Sala de Aula Moderna – Parte I

 

 

Palavras-Chave (Tags):

Atenção – Autorregulação – Determinação – Emoção – Empatia – Rendimento Escolar – Resiliência – Habilidade – Talento – Métodos


 

 

PRIMEIRAS AULAS 

 

Neurociência & Treinamento Profundo

 

10ª a 12ª aula            De onde vem o talento?

 

Do ponto de vista biológico, nada substitui a repetição atenta.

Nada do que façamos – falar, pensar, ler, imaginar – é mais eficaz na construção de uma habilidade do que executar a ação, disparando o impulso pela fibra nervosa, corrigindo erros, afiando o circuito.

Para ilustrar essa verdade proponho a pergunta: “qual é a forma mais simples de diminuir as habilidades de um talento consagrado”?

 

Repita

A prática não leva à perfeição. Uma prática perfeita é que leva à perfeição

Descreve-se o treinamento profundo como alguém que tenha experimentado a sensação de aceleração referindo-se a ela como um “estalo”. E dessa forma, constroem-se novos tipos de atuação em qualquer atividade.

— Em que consiste  o tipo de aprendizagem conhecido por autorregulação?

— As pessoas observam, julgam e planejam a própria atuação, i.e., quando ensinam e supervisionam a si mesmas.

 

Responda como puder:

— Como indivíduos que parecem ser iguais a nós, de repente se tornam talentosos?

— Qual a natureza desse processo capaz de gerar realidades tão díspares?

— O que é TALENTO?  Formar ou detectar?

 

Talento

A posse de habilidades repetíveis que não dependem do tamanho físico: a diferença entre jogadores fabulosos e jogadores comuns está na organização; entre alguém que compreende uma linguagem e outro que a desconhece.

 

 

Neurociência & Treinamento Profundo

13ª a 15ª aula        Construir circuitos e isolá-los com mielina

  

A fluência é alcançada quando o indivíduo repete os movimentos por tantas vezes que já sabe como processar esses blocos como um só grande bloco.

Quando o chunking é bem realizado cria a miragem que provoca espanto, tipo CARAMBA!

Essa falsa realidade faz artistas, atletas e jogadores excepcionais parecerem superiores.

 

Habilidade

A habilidade – com sua graça e fluidez – é criada pelo acúmulo de circuitos pequenos e individualizados. Ações físicas também são constituídas de pedaços.

A habilidade consiste em organizar exercícios em blocos maiores e carregados de sentido; é o que os psicólogos chamam de chunking (divisão).

Habilidade é, em essência, o poder de agrupar e desagrupar pedaços – ou, para dizê-lo em termos de mielina, de disparar configurações de circuitos.

 

Ignição

Importância da IGNIÇÃO: disparo, motivação, interesse

— Na prática, o que sentimos quando isso acontece?

Como sabemos se estamos fazendo certo?

— O treinamento profundo é um treino reflexivo. O instinto deve fluir lentamente e dividir as habilidades em seus componentes.

 

 

 

Praxia… Foco na Prática

Um dos objetivos dos neurocientistas responsáveis pelo I Simpósio Internacional de Neurociência Aplicada à Educação (Rio,  jul./2015) era realizar uma ponte entre a ciência e professores.

Foi estruturado para dar conhecimento sobre os avanços da ciência de modo que professores em geral colhessem frutos e tornassem seus ofícios mais profundo e moderno. O mote escolhido foi promover uma “ponte entre   cientistas e docentes”. Infelizmente, os organizadores (URFJ) não apresentaram as “duas equipes” precedendo a contenda, tendo em vista as linguagens diferenciadas entre o mundo acadêmico e a prática em sala de aula.

Resultado: “NADA se aproveitou em dois dias de blá, blá, blá”. Note-se que fizemos oferta de palestra sobre o tema constante de nossos estudos, mas recusado tempestivamente.

 

DIÁLOGO COM PROFESSORES

 

Liberte a criança que há dentro de Você!

 

Construímos um Manual de Engenharia Pedagógica para as primeiras orientações aos ainda não identificados com métodos modernos de ensino. É o resultado de muitos anos de pesquisa, estudos e conceitos que edificamos por conta de nossa intuição e vasta experiência com crianças e adultos, especialmente naqueles indivíduos com pouquíssima ou nenhuma identificação com o esporte – voleibol -, dito por muitos profissionais com o mais difícil de ser ensinado.

Vale lembrar que o Manual aplica-se a todo e qualquer ensino esportivo, pois repleto de estímulos de aprofundamento em psicopedagogia, na novel neurociência, e em design instrucional, a principal carência nas universidades.

Dito isso, há um pressuposto que os interessados nas práticas que aqui estamos propondo, se imiscuam nas leituras propostas e, mais ainda, aprofundando-se em suas buscas, tal como fez este escriba. Por si só o Manual não é a “fonte” dos saberes, mas um guia para qualquer iniciante na “Arte de Ensinar”.

Nossa prática tem início em janeiro/1974, em Recife, quando de um curso para crianças, um programa grandioso desenvolvido pelo SESI-DN durante alguns anos. Naqueles momentos tornei-me pioneiro do minivoleibol no país.

 

 

1. Explorar o espaço repetidas vezes, atento aos erros, ampliando a área e desenhando um mapa mental até conseguirmos nos mover rapida e intuitivamente.

 

 

 

2. Dividir nos menores blocos possíveis. Construir circuitos confiáveis, atentando-se para os erros que então são corrigidos; decompor a habilidade e repetir cada circuito.

 

 

 

 

 

 

 

3. E assim são disparados os sinais que formam velozes circuitos de processamento.

 

 

Construindo vídeo, e-book

Inicialmente, uma panorâmica da quadra; em seguida, zoom para examinar detalhes em câmera lenta. Editar e-book.

 

Ignição, disparo, start, motivação

Criar ambientes motivacionais nos quais as crianças se apaixonem pelo que realizam. Que se sintam construtoras de sua “própria matemática”.

 

Relação entre Métodos

Brincam com o tempo, retardam a ação, depois aceleram, conhecem sua arquitetura interna. Encaram a tarefa como um todo, um megacircuito.

Constroem-se circuitos confiáveis, atenta-se para os erros que então são corrigidos, decompõem-se a habilidade e repete-se cada circuito.

 

Tarefas em três dimensões

Constroem-se circuitos confiáveis, atenta-se para os erros que então são corrigidos, decompõem-se a habilidade e repete-se cada circuito.

E assim são disparados os sinais que formam velozes circuitos de processamento.

 

————————————

Nota: com base no livro “O código do talento”, Daniel Coyle.
Digg Google Bookmarks reddit Mixx StumbleUpon Technorati Yahoo! Buzz DesignFloat Delicious BlinkList Furl

No Responses to “A Sala de Aula Moderna – Parte II”

Leave a Reply

Name:
Email:
Website:
Comment: