Binômio Educação e Esporte, Fator de Sucesso

 

Reinventando as Escolas

As pessoas sempre resistirão porque sempre resistem a novas ideias. Lembremo-nos que o mesmo aconteceu com Galileu. Todavia, não leve isso para o lado pessoal.

 

 

Opiniões

 

O professor português José Pacheco diz que não adianta aumentar o tempo na escola se a estrutura continua a mesma e que usar tablets na sala de aula não resolve os problemas, apenas contribuem para reforçar a mesmice.

 

 

 

Vitor Paro, professor titular da Faculdade de Educação da USP: “A escola que está ai é ruim porque tem um método ultrapassado e não existe a preocupação de educar, mas de passar de ano. A nossa escola sempre foi ruim”.

 

 

Manuel Sérgio, filósof0 e professor português, criador da Ciência da Motricidade Humana (CMH), da qual a educação física é a pré-ciência. “A CMH estuda o movimento humano intencional, espontâneo, livre e desinteressado, que  exprime todos os momentos da vida humana, do nascimento até a morte, favorecendo fundamentos aos desportos, dança, lutas, a reabilitação, o ioga, tornando-se a raiz científica dos vários aspectos da motricidade do humano”. (João Batista Tojal)

 

 

Tentativas Frustradas, NUNCA!

 

É público e notório que as dificuldades são imensas para se aplicar algo inovador em um país que ignora e ainda não sabe como fazer a Educação de seus filhos. Mas acreditamos que valha a pena tentar, e persistir tentando, não nos deixando abalar com os tropeços. Ao contrário, aglutinarmos forças de tantos NÃOs, recriamos o ânimo de outrora. Rezamos para que não aconteça o que ocorreu com o saudoso Darcy Ribeiro:

 

Tentei alfabetizar as crianças brasileiras, não consegui.
Tentei salvar os índios, não consegui.
Tentei fazer uma universidade séria, e fracassei.
Tentei fazer o Brasil desenvolver-se autonomamente e fracassei.
Mas os fracassos são minhas vitórias. Eu detestaria estar no lugar de quem me venceu.

 

 

Jamais Desistir de Nossos Sonhos!

 

 

PROTOTIPAGEM, PARCEIROS 

Estamos a um passo de concretizar nosso intento, e toda ajuda será preponderante para a consecução do projeto para 190 mil escolas brasileiras.  No momento, buscamos patrocinador(es) para realizar a prototipagem, e a seguir, para a implantação do projeto no país. Nesse caso, o foco está voltado para instituições e fundações ligadas à Educação, Esporte, Lazer. E é claro, secretarias de educação.

 

Acentuamos:

Nosso compromisso é EDUCAR para a vida

Programa inovador para milhões de indivíduos

 

Gostariam de nos receber?

roberto_pimentel@terra.com.br

 

 Centro de Referência em Iniciação Esportiva

Um Contributo à Ciência

 

A minha escrita não está em conformidade com as normas de publicação científica.

 

 

I – Modelo com Projeção Mundial

Busquemos inspiração e sabedoria em uma assertiva do filósofo e professor Manuel Sérgio em sua CMH:

“… em que se exprimem todos os momentos da vida humana, do nascimento até a morte, favorecendo fundamentos aos desportos”.

 

 

ENCADEAMENTO DE AÇÕES DESEJÁVEIS 

 

PRIMEIRA INFÂNCIA

Em setembro de 2015, a ONU definiu os objetivos para o desenvolvimento sustentável (ODS), a serem alcançados em 2030. Um deles, o ODS4, sobre educação, tem um subitem específico para a educação infantil, indicando que até 2030 asseguremos a todas as crianças acesso ao desenvolvimento da Primeira Infância, ao cuidado e à educação de qualidade, preparando-as para sua trajetória na educação básica. Essa meta também está relacionada à meta da saúde em até 40%, porque a desnutrição, especialmente nos primeiros mil dias de vida, causa danos incalculáveis ao desenvolvimento e, consequentemente, à aprendizagem.

 

ENSINO FUNDAMENTAL 

Concomitantemente, há projetos na continuidade da vida escolar. O Procrie insere-se como um projeto perene e virtual voltado para o aprimoramento e capacitação de forma profunda e continuada de docentes nas suas atividades curriculares, respeitadas características e especificidades regionais. A atuação do Procrie cinge-se, então, à formatação de boas práticas para escolas públicas em comunhão com secretarias de Educação locais, constituindo-se assim os Núcleos regionais. Em primeira instância, no ensino fundamental.

Tais projetos serão assistidos, avaliados e, quando for o caso, reprogramados pelas respectivas secretarias, ressaltando-se a importância de um tempo de carência para a formação de docentes e demais intervenientes. Incluem-se aqui, necessariamente, os Cursos Presenciais como complemento ao Ensino a Distância. Vale dizer que certamente poderá se retroalimentar de seus próprios fazeres, i.e., compartilhamento de experiências e inovações entre os Núcleos regionais via internet.

 

ENSINO MÉDIO

A seguir, culminando com o reaparelhamento pedagógico entre jovens através da ferramenta Esporte para Todos, com significados para a vida, como envolvimento social e afetivo, e reais possibilidades de enfrentamento a óbices ainda presentes no cotidiano escolar, como absenteísmo, repetência, violência, e até criminalidade.

 

 

II – Projeto de Vida

 

Crescimento Comunitário, Crianças e Jovens

Somos adeptos da fórmula mágica de envolvimento dos indivíduos  através de espaços que contemplem legítimas aspirações:

“… crescer em ambiente harmônico, familiar, alegre, com liberdade  para brincadeiras, jogos, música”.

 

 

Clique na figura

Alunos organizam torneios SEM o professor; NINGUÉM “fica de fora”.

 

Leia mais… Ficou Mais Fácil Ensinar

 

 

 

III – Como Fazer! 

 

G. Pólya matemático húngaro

 

          Heurística

Parte da Filosofia que se dedica a inventar maneiras de resolver problemas.

 

 

 

 

 

 

VISÃO

A oferta de talentos é farta, mas mesmo com investimentos escassos e um forte envolvimento com o universo acadêmico será possível abrir oportunidades para quem deseja inovar. E recriar!

 

 

Ensino Esportivo, Novo Olhar 

“Chi va piano va sano e va lontano”

 – provérbio italiano

 

NÍVEIS e ATOS de CONSTRUÇÃO LENTOS e CUMULATIVOS

Múltiplas Ações

 

Clique no painel

 

 

Clique no painel

 

BOM ENSINO UNIVERSITÁRIO

Ao longo dos anos vimos incorporando adeptos em algumas regiões do país. Entretanto, cometem-se os mesmos erros seculares, uma vez que as lições ofertadas às crianças não evoluem, são repetitivas e cansativas. Permanecemos com escolas do séc. XIX, professores do séc. XX, e alunos no séc. XXI. E qual é o contributo de nossas universidades de Educação – Pedagogia – para a formação de novos mestres?

 

MANUAL DE ENGENHARIA PEDAGÓGICA 

Novos rumos metodológicos e uma praxia criativa e inovadora se incorporam objetivando a formação continuada de docentes, e por extensão, de seus alunos. Nesse particular ofertamos a professores e acadêmicos de Pedagogia um vasto campo ainda inexplorado através da aplicação de novas PRÁTICAS de ensino consubstanciadas em vivências do autor descritas em um Manual produzido para o professor “em sala de aula”.

Imaginamos um documento que possa, não só orientar o profissional, mas também ter força de registro de suas atividades e descobertas, inclusive com observações de seus alunos. Ao longo dos anos reveste-se como uma obra histórica, de fácil acesso e consulta, e contribui para o compartilhamento de vivências com outros colegas distantes. Para tanto, aconselhamos que os registros seja efetuados na web.

 

SINTONIA COM O MUNDO ACADÊMICO

Entendemos que a figura principal das ações reside no mestre e para a sua capacidade e conhecimento de métodos a empregar no vasto campo da disciplina Educação Física e Esporte, entendida aqui como corpo em movimento, ditado por conjunções psíquicas e emocionais. Enfim, corpo e alma! É vital, então, que esteja em sintonia com inovações que ocorrem a todo momento, ou mesmo, divulgar seus “achados” metodológicos.

 

CONTRAPONTOS DESEJÁVEIS

Cremos poder cooptar faculdades em todo o país e integrarmo-nos em suas pesquisas de pós graduação e projetos de extensão universitária, uma vez que se compõem de alguns departamentos, como p.ex.,  Administração Escolar e Economia da Educação, Filosofia da Educação e Ciência da Educação, Metodologia do Ensino e Educação Comparada. Acrescentem-se ainda os convênios com congêneres no exterior, como a Universidade do Porto, de Harvard, a primeira já interessada em nossas práticas.

 

REDUZINDO DESIGUALDADES

– Colhido na web

A desigualdade gera impactos em toda a sociedade, e os mais afetados são as crianças, cujas necessidades nem sempre são consideradas no momento da elaboração das políticas. A avaliação é de especialistas reunidos no 7º Simpósio Internacional de Desenvolvimento da Primeira Infância, realizado no dia 7 último, em Fortaleza.

— A desigualdade começa no início da vida.

— Impacto: 75% das crianças (< 4) não frequentam creche ou escola.

— Cada dólar investido em crianças (até 6 anos), economizam-se US$ 7 em políticas assistencialistas. Investimentos precoces, maior a taxa de retorno.

— Secretarias de Educação terão de revelar a Base Comum para os currículos municipais.

 

SAÚDE, ESPORTE, JOGOS RECREATIVOS 

“Crianças carecem de ir para a rua, jogar bola, pular corda, correr, saltar, subir em árvores, tudo como seus avós faziam antigamente”.

 

Rua de Recreio

Lemos repetidas vezes nas mídias que projetos são criados para “retirar crianças das ruas”. Advogamos justamente o contrário, i.e., precisamos criar condições de levá-las às ruas para brincar e se divertir longe das TVs, celulares e demais parafernálias eletrônicas. Seriam as praias, praças, quintais e ruas de lazer. Ou modernamente, também as áreas de lazer de condomínios.

 

 

Clique nas figuras

 


 

 

 

 

 

 

 

Cuidado e Prevenção 

Uma vez mais especialistas e gestores da Educação esquecem-se de aliar-se ao esforço de seus colegas da área da Saúde, ou vice-versa. Em especial, os cuidados nos primeiros anos de nascença. Fala-se muito em obesidade infantil e outros males na infância, mas poucas soluções são incrementadas. Práticas bem orientadas de jogos recreativos e esportes serão sempre bem-vindas e permanecem por toda a vida adulta.

 

Clique na foto

Alunos se divertem em “recreio alegre”. São Gonçalo, Grande Rio.

 

 

 

META

Ocuparmo-nos de alunos no Ensino Fundamental, compondo um elo de transição entre a Primeira Infância e o Ensino Médio.

 

Clique na foto
Metodologia para alunos do ensino fundamental, Rio de Janeiro.

 

 

APRENDER BRINCANDO E JOGANDO

Tem-se por OBJETO desenvolver a prática esportiva  generalizada, inclusive jogos recreativos, com emprego de métodos para o desenvolvimento cognitivo, emocional e relacional dos indivíduos em sua interação social.

Basicamente NÃO se almeja prospectar talentos e TODOS têm assegurada sua participação. A proposta inicial é a Formação pelo Movimento, pois atende maior número de indivíduos – meninas e meninos -, além de portadores de necessidades especiais. O voleibol se apresenta como a melhor opção, não só por sua presença constante na mídia, como é de fácil assimilação das regras, e pouco dispêndio. Em locais de praia do Rio é verdadeira “febre”. Outros esportes poderão ser contemplados a critério dos interesses das escolas e consoante idêntica metodologia.

 

 

IV – Ponte Entre Cientistas e Educadores

 

 

ENSINO PROFUNDO

Percorrendo os caminhos traçados pelos grandes mestres nossas buscas nos levaram a modelos descritos por Daniel Coyle em seu livro O Código do Talento, em que desbrava conquistas recentes da Neurociência, especialmente a teoria mielínica. Trata-se de programas para desenvolver habilidades especiais aplicáveis à vida pessoal. Crítico do senso comum de que a prática leva à perfeição, aliamo-nos ao autor quando complementa: a prática tem que ser CERTA!

Consequentemente, indica o caminho mais viável na busca da autorregulação, na medida em que as crianças são levadas a construir sua própria matemática, isto é, Aprender a Pensar.

 

 

 

 

INCLUSÃO

    Todos são chamados a participar!

Participação efetiva de 20 alunos da APAE

Praia de Icaraí, Niterói.

 Ninguém precisa nascer com um dom para atingir bons resultados em qualquer atividade. Na produção de alunos críticos e investigativos, as ações propostas têm o objetivo de minimizar diferenças individuais, aproveitamento máximo do tempo de aula, a falta de motivação dos alunos, e a exclusão. Além disso, promover uma caracterização crítica do próprio ensino e a socialização pelo esporte. Assim, aproximamo-nos dos mais necessitados: é a INCLUSÃO.

 

 

JUSTIFICA-SE este sítio educacional especialmente em um país continental pela ação de vários elementos que atuam em tempo real: a) instrui, avalia e produz correções de percurso; b) acumula e difunde experiências atraindo novos partícipes: c) aproxima problemas e soluções. Enfim, um justo orgulho aos participantes da obra.

 

 

PROPOSTA PEDAGÓGICA

Apresentamos a temática do Aprender a Ensinar na busca conjunta de caminhos para a superação do hiato entre teoria e prática. As postagens revestem-se de vivências e exemplos práticos e convidam docentes e internautas a navegarem em áreas mais profundas da Metodologia, Pedagogia, História do Voleibol, Mini Voleibol, Formação Continuada, Evolução do Jogo e das Regras, sugestões para projetos para grande número de crianças, além de um fórum de discussões. Tudo para informar e satisfazer necessidades primárias de cada Núcleo a ser formado. Tudo isso em tempo real.

 

 

DIVULGAÇÃO

Em sete anos de criação (2010) o Procrie se revela pioneiro e demonstra que a tecnologia permite uma nova teoria da aprendizagem e desenvolvimento para milhares de professores em seu contato com milhões de brasileirinhos. E mais relevante, despertando interesse e curiosidade pelo saber para indivíduos de pequeninas cidades do interior, em especial da selva amazônica, muitos esquecidos e distantes de qualquer centro de educação.

 

 

ENSINO A DISTÂNCIA E PRESENCIAL

Docentes, alunos e demais interessados estão cada vez mais a se incorporar ao Procrie como forma alternativa e complementar de instrução atualizada, com oportunidade diária de repensar suas aulas e treinamentos esportivos. Tamanha conectividade nos permite avançar no desenvolvimento da metodologia em tempo real, acrescentando a necessária presença do mestre. Nesse modelo propugnamos a formação de Núcleos credenciados para atender locais remotos e, a partir daí, evoluir no conceito de “presença virtual” perene. No Rio de Janeiro, planejamos a criação de um Núcleo central, configurado em um Centro de Referência destinado a estudos a partir de práticas investigativas.

 

Clique na figura

  

 

CENTRO DE REFERÊNCIA EM INICIAÇÃO ESPORTIVA

—  Resumo  —

 

Clique na figura

 

Objetivos Gerais

Promover a Educação e o Esporte através de práticas inovadoras nas aulas de Educação Física em escolas.

Desenvolver aplicação de matérias interdisciplinares: matemática, oralidade, escrita, música.

Incentivar e aprimorar ensino de qualidade para docentes visando à meritocracia e empreendedorismo.

 

 

Objetivos Específicos

Formação Continuada perene de professores através de cursos presenciais e EaD.

Aplicar e desenvolver instrumentos didáticos, equipamentos criativos e de baixo custo.

Contribuir em parcerias para projetos comunitários, aproximando escola e família.

 

 

Planejamento & Estratégias

Programar gradativamente Núcleos como elementos de inserção em regiões afastadas dos grandes centros.

Formatar Cursos Presenciais, Residência Pedagógica com predominância prática.

Acompanhar, avaliar e divulgar as atividades (internet).

 

 

Metodologia

 

Metáfora do andaime

“Quando bem construídos, os andaimes ajudam a criança a aprender a ganhar alturas que elas seriam incapazes de escalar sozinhas”.

 

Instrução em grupos

Criar a interação entre colegas.

Reconhecer benefícios mútuos dessa interação.

 

Instrução individualizada

Capacitar alunos a serem arquitetos da própria compreensão.

Prover indivíduos com a autorregulação, individualizando a aprendizagem.

Buscar a interação social, a comunicação e a instrução através de trabalhos em GRUPO.

 

Professor

Ser capaz de explorar as interações entre crianças.

Primar pela resolução cooperativa de problemas – exigência de técnicas de “combinação”, seleção de tarefas e incumbências.

 

Aluno

Prover o alunato com recursos que impulsionem e motivem a aprendizagem.

Adotar a interação, negociação e construção conjunta de vivências.

Desenvolver a interdependência, fazer descobertas acidentais e resolver novas ambiguidades.

 

Destaque no aprendizado

 Resiliência: adaptar-se a mudanças, superar obstáculos ou resistir à pressão de situações adversas – choque, estresse, algum tipo de evento traumático, etc. – sem entrar em surto psicológico, emocional ou físico, por encontrar soluções estratégicas para enfrentar e superar as adversidades.

 

 

 

  PRAXIA INÉDITA !

Clique na foto

 
Grupo, Circuito, Registro Visual, Autonomia, Inclusão, Resiliência

 

 

Instrumentos pedagógicos

Acompanhar buscas e soluções para unir prática e teoria.

Superar dificuldades de comunicação: O que fazer? Quando fazer? Como fazer?

Aquilatar o ponto onde o aprendiz está e desenvolver uma psicologia de forma harmoniosa.

Instrução individualizada ou em grupo? O que devo ensinar primeiro: a técnica – fundamentos – ou o jogo propriamente dito – tática? Ou ambas simultaneamente?

Reflexão-na-ação: como cada grupo está realizando (pensando) sua tarefa? A seguir, como e quando intervir.

 

 

DESENVOLVIMENTO HUMANO, ALCANCE SOCIAL 

Numa época em que muitos desafios e oportunidades novas surgem na Educação graças ao advento de novas tecnologias e subsídios computerizados à aprendizagem e à instrução, vale lembrar as dimensões sociais e interativas do crescimento e desenvolvimento humanos que a Educação Física e os Esportes suscitam. Em especial, pela contribuição emprestada pela Neurociência.

Clique na figura

Obs.: participamos e pleiteamos fazer palestra; fomos descartados.

Entretanto, concordamos que os recursos mais preciosos para uso em “sala de aula” continuarão apresentando-se sob a forma humana. Por que então não nos locupletarmos de todos num país de dimensões continentais?

 

ESPÍRITO EMPREENDEDOR 

Em intervenções anteriores (ver Quem Faz) mostramos na prática como aproveitar em sala de aula estes recursos potencialmente valiosos de aprendizagem e ensino, mesmo em condições pouco favoráveis. Procuramos encontrar soluções e nunca nos queixarmos dos problemas, pois para espíritos empreendedores as adversidades muitas vezes são desafios a serem transpostos. Cuidamos de nos balizar e sermos coerentes em alguns princípios, utilizamos nossa intuição e experiência colhendo frutos virtuosos que agora repassamos.

Cremos que ter encontrado um caminho confiável de realizar os objetivos propostos no planejamento de projetos. Todavia, temos certeza que a continuidade neste tipo de trabalho criará a possibilidade de identificar na prática caminhos para o desenvolvimento futuro na educação de um grupo ou comunidade. Temos muito a percorrer até encontrar melhores procedimentos nessa busca incansável pela melhor Educação.

Autor: Roberto Affonso Pimentel
 e-mail: roberto_pimentel@terra.com.br
Niterói – RJ

————————————————

 

Pioneirismo Também em Portugal

A partir de 2009 o autor foi convidado a ser um dos colaboradores do site português www.sovolei.com. Vejam o destaque de nossa participação:


Volei Net Tour, Viagem Trans-Atlântica
“Mais rápida e menos conturbada que a histórica e pioneira travessia do Atlântico Sul realizada por Gago Coutinho e Sacadura Cabral em 1922 a bordo do “Lusitânia” e do “Santa Cruz”, propomos hoje repetir a mesma rota para visitar o nosso já bem conhecido e interventivo Roberto Pimentel e o seu “Projecto de Centro de Referência em Iniciação Desportiva”. Esta é uma visita de carácter pedagógico dirigida a quem desenvolve a árdua tarefa de incentivar e proporcionar aos mais jovens, a prática desportiva em geral e o voleibol em particular”.

Aos mentores do sítio Sovolei (atualmente desativado) meus cumprimentos e a alegria do convívio com professores e amigos portugueses. Foram momentos inesquecíveis. Roberto A. Pimentel, 2010.

 

Digg Google Bookmarks reddit Mixx StumbleUpon Technorati Yahoo! Buzz DesignFloat Delicious BlinkList Furl

No Responses to “Binômio Educação e Esporte, Fator de Sucesso”

Leave a Reply

Name:
Email:
Website:
Comment: